Deixe um comentário

Formação de acordes – Parte C

Não estou muito convencido de que esta lição esteja adequadamente colocada no contexto deste livro, uma vez que ela é quase totalmente destituída de um embasamento teórico adequado. Ela é também tão básica que dificilmente alguém que toque um pouco de guitarra já não conheça o seu conteúdo. Por outro lado, o assunto é tão prático que não acho justo deixar de menciona-lo. Portanto, aí vai!

Esta lição é destinada principalmente àqueles indivíduos que ficam “empacados” nas versões ditas “fáceis” de certas canções ou, que não conseguem sequer inicia-las por desconhecerem acordes como C#m7. Serve também de atalho para preguiçosos que não deram a devida atenção as lições anteriores sobre formação de acordes.

A grande maioria das canções pode ser tocada se conhecer os acordes com barra. A chave para tocar tais acordes é, evidentemente, a capacidade de fazer a barra em si. Por barra entende-se a habilidade de prender todas as seis cordas da guitarra com o dedo indicador. É claro que o som obtido a partir da pestana deve ser “limpo” e, esta é talvez a parte mais difícil. Como os dedos indicadores das pessoas tem formatos um pouco diferentes, não existe uma posição ideal para a barra. Vai ter de descobrir experimentando sozinho. Simplesmente pince o braço da guitarra entre os dedos indicador e polegar, com o indicador prendendo todas as 6 cordas do instrumento. O polegar deve fazer pressão contra o braço da guitarra, aumentado assim a pressão do indicador contra as cordas. Escolha um traste qualquer e, mãos a obra. Tenho a impressão que os trastes de 3 a 7 são mais fáceis de trabalhar. Não espere sucesso da primeira vez. Isto por si só já seria uma raridade. Vá trabalhando com calma as cordas uma a uma, até que o som saia claro em todas as 6. Importante: não desista. Não conheço ninguém que tenha tentado e não tenha conseguido.

Agora aos acordes. A única teoria que precisa saber é que os trastes da guitarra são análogos a escala musical de 12 notas (rever lição I). Isto quer dizer que, se você estiver fazendo um acorde de F e move-lo por inteiro para o traste seguinte terá avançado 1/2 tom, e tem portanto um F#. Um traste mais e, “voilá”, um G. Um mais e teremos um G# (ou Ab) e assim por diante até completar todo o braço da guitarra. Se já não o conhece, o que acho difícil, veja abaixo o esquema do acorde de F:

A forma apresentada acima corresponde a primeira de duas formas básicas, cada uma constituída de pelo menos 4 subtipos, quais sejam: maior, menor, sétima e sétima menor. O esquema apresentado acima representa, evidentemente, um tipo maior. Os demais tipos são obtidos pelo rearranjo dos dedos 2 e 3. Aprendendo estas posições você pode tocar praticamente qualquer acorde. Bbm7 também? Positivo, sem problema. Vamos primeiro olhar os outros 3 tipos básicos.

Menor – basta tirar apenas o dedo 2
Sétima (maior) – basta tirar apenas o dedo 3
Sétima menor – basta tirar os dedos 2 e 3.

:

Agora lembre-se, a utilidade disto é que se deslizar todo o acorde um traste para cima (em direção ao corpo da guitarra) estará tocando G#, G#m, G7 e G#m7, respectivamente. Suba mais 1/2 tom (1 traste) e terá A, Am, A7 e Am7, e assim sucessivamente. Desça 1 traste, ao invés de subir, e terá F#, F#m, F#7 e F#m7. Se descer mais 1/2 tom (1 traste) terá esta mesma seqüência para F e, descendo ainda mais 1/2 tom você não precisará mais fazer a pestana e, terá então E, Em, E7 e Em7.

Eram duas formas básicas, lembra? Agora vamos para a segunda forma. Vamos repetir o processo iniciando também no 3o. traste. Se fizer a barra neste traste e colocar os dedos como na figura abaixo terá um C e seus derivados.

Observe que neste segundo padrão básico a 6a. corda não é tocada. Como na primeira forma, subindo e descendo nos trastes você obtêm os acordes em diferentes tons. Subindo 1 traste (1/2 tom) terá a seqüência para C#, mais 1 traste para D, outro para D# e assim sucessivamente. Pegou?

Talvez uma das coisas mais importantes desta lição seja deixar claro que, se aprender qualquer acorde, em qualquer traste do instrumento, poderá obter todos os demais simplesmente subindo ou descendo ao longo do braço. Espero que você tenha se dado conta que o braço tem, no mínimo, 12 trastes, que correspondem exatamente as 12 notas musicais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: